Arquivo da categoria: Perfil

Nome para guardar- Rosetta Getty.

rosettaa

Retomando uma das minhas tags favoritas aqui do site para falar da estilista Rosetta Getty, seu nome é discretamente conhecido e admirado, mas sem alardes ,assim como suas peças, lindamente cortadas e com caimento impecável.

Se ontem o tema foi excesso com o retorno das botas de plataforma, o mood de hoje é sereno e deliciosamente sofisticado.

Estampas aparecem de forma pontual, seja xadrez, paisley, tapeçaria ou listras, sempre incorporadas organicamente:

r6

No Inverno, seu trabalho com tricô é encantador. Reparem na manga sino do suéter:

r

Looks monocromáticos são comuns em suas criações:

r1

r13

Fã de trabalhos manuais como tricô e crochê, ela celebra as formas arquitetônicas e inusitadas em criações que sempre emprestam um ar cool à qualquer pessoa que usá-las:

r3

r8

Pernille Teisbaek com a versão preta da saia:

RPERNILLETEISBAEK

Seus vestidos são um caso à parte, lânguidos com um glamour resgatado dos anos 70 e sem muito esforço:

r4

Alicia Vikander usando um P&B assinado por Rosetta:

alicia

Outra opção, da temporada Pre-fall:

r5

Feminilidade é palavra chave e sua mulher é certamente uma que se preocupa em alimentar a alma, Louise Bourgeois e Agnes Martin já serviram como inspiração para coleções.

r7

Super jovem, o debut aconteceu na temporada Resort 2015, mesmo assim já possui forte identidade e algumas marcas registradas: Recortes estratégicos, formas mais amplas, assimetria e alfaiataria relax com detalhes desconstruídos:

rosetts

r12

r11

R9

Fechando com imagem linda de Ezra Petronio para Self service magazine, Edie Campbell usando top Rosetta Getty Verão 2016:

edie

Nome para inspirar e suspirar.

Fotos: Rosetta Getty/Reprodução.

Deixe um comentário

Arquivado em Inspirações, name to watch, Perfil

Nome para guardar- Camila Ferres.

deco_08

Estava lendo uma entrevista da genial- e polêmica- Fran Lebowitz, entre observações sobre calças especiais para Yoga e as razões de todos seus paletós serem feitos sob medida, ela fez uma declaração que imediatamente me fez pensar na pessoa que é tema desse post. A frase foi a seguinte: “As pessoas se preocupam mais com tendências atualmente do que com estilo. Elas se envolvem tanto com saber o que está” acontecendo” que esquecem como se vestir, e elas nunca aprendem porque elas nunca aprendem nem a cuidar de nada. Tanto do que a minha geração aprendeu sobre roupas tinha a ver em como fazê-las durar.” E ela continua em uma crítica direta ao movimento de roupas baratas e descartáveis, que estimulam um consumo desenfreado e fazem as pessoas refletirem e questionarem menos o que estão comprando, já que a expectativa de qualidade e durabilidade é baixíssima e em poucos meses comprarão outra peça para substituir a “antiga”.

Eu não acredito muito em nostalgia, tampouco condeno o hábito de comprar. O que defendo é um consumo consciente e informado, pensando em cada caso individualmente e com um cuidado não apenas do impacto pessoal, mas também social. Aquela pergunta clássica “Eu realmente preciso disso?”. Nesse movimento que anda cada vez mais forte, e eu abordei o tema aqui no site no post “Trend Watch- Retorno ao essencial” (datado Dezembro/2012) e em “Nome para guardar- Rosie Assoulin” (Junho/2013), o verdadeiro luxo é consumir roupas de qualidade inquestionável, apelo atemporal e atenção a cada detalhe.

Esta minha definição de luxo é indissociável da arte exercida pela estilista, Camila Ferrés. Eu gosto de falar que ela é, de fato uma couturier, no sentido tradicional da palavra. Alguém que se inspira na alta-costura, não apenas esteticamente, algo que ela faz maravilhosamente bem. Mas também no modus operandi, sua técnica é formidável e nada menos que impressionante para 2015. Além de não seguir um calendário formal, a idéia da Camila é lançar uma coleção por ano (parecido com o mestre Alaia), ela é responsável por todos os estágios de desenvolvimento da coleção. A Deco, que acaba de ser lançada, teve cada uma das 25 peças desenhadas, cortadas, modeladas e costuradas pela própria em processo completamente artesanal com resultado que não poderia ser mais luxuoso.

Não uma reprodução direta de haute couture, é justamente aí que fica o mais fascinante de Camila: Ter referências e ser absolutanente moderna, demonstrar respeito e até devoção pelos cortes de Cristobal Balenciaga e Vionnet sem esquecer do espírito jovem. Uma essência que não tem época, mas a capacidade de se apoderar do zeitgeist do momento com olhar lúdico e original

Além dos vestidos de festa encantadores, ela aposta em separates nada óbvios, nunca um top cropped foi tão elegante. Saias e pantalonas incrementam os looks festivos:

 

camila5

Dependo muito do look de cada dia como extensão da alma e do meu humor, por isso ainda não consegui chegar no nível de sofisticação que gostaria. A Camila cria para a mulher que eu quero ser um dia: Madura, minimal, simples. Suas roupas são aspiracionais e com o styling certo podem ser adaptadas a qualquer estilo.

Diferente das outras marcas que apareceram aqui nessa tag “Nome para conhecer”, eu tenho o privilégio de chamá-la de amiga e a sorte de entender melhor suas referências e motivações. Além da sorte de dividir com ela mil referências e compartilhar coisas lindas que nos inspiram. Filha de artista plástica, desde pequena Camila aprendeu sobre estética e foi a arquitetura Art Deco de Nova Iorque o ponto inicial da coleção atual.

Noiva minimalista, adulta:

camilanoiva

As linhas deco aparecem nos recortes estratégicos e na cartela de cores:

camila4

Vestidos curtos também fazem parte da coleção e mantém o padrão de elegância:

camila3

Fechando com o vestido amarelo de tirar o fôlego:

camila2

 

Não deixem de entrar no site e se deslumbrarem com a coleção DECO completa, assim como a Frame, outra coleção genial da Camila. Clica no Site oficial da marca.

Nesse mundo atual, onde a maioria das coisas parecem cansar antes mesmo de serem lançadas, é um verdadeiro presente para os olhos (e coração) existirem criadores como a Camila.

Direção Criativa: Camila Ferrés.

Fotos: Cristiano Madureira.

Beleza: Paula Vida.

Modelo Julia Fuchs.

Styling: Roberta Weber.

2 Comentários

Arquivado em name to watch, Perfil, Trabalhos

Para inspirar: Arquivos Givenchy 1969-1995 na revista System.

givenchy3

A revista System é a melhor revista de conteúdo de moda da atualidade junto com a Industrie, dois presentes para quem quer compreender e explorar o que se passa com os nomes mais criativos da indústria. A nova edição da System está sendo especialmente comentada, já que traz Raf Simons em uma reveladora entrevista com Cathy Horyn. Realizada antes do anúncio de sua saída da Dior, ela elucida as possíveis motivações da polêmica decisão do belga de sair da Maison (confere um trecho da matéria publicada no site Business of Fashion aqui). Além dos artigos maravilhosos, os editoriais inspiram e encantam. Esta última contém uma história com looks vintage direto do arquivo da Givenchy. As fotos  são de Jamie Hawkesworth e styling da genial Marie-Amélie Sauvé.

Passando por vestidos entre 1969 e 1995, uma verdadeira viagem entre as mais lindas e atemporais criações. Notem como tudo parece moderno e poderia ter sido lançado na última temporada.

Recortes:

givenchy4

Floral, muito revisitado por Riccardo Tisci na versão atual da maison:

givenchy2

Em black:

givenchy

Responsável pelo little black dress mais icônico da história, o pretinho usado por Audrey Hepburn em “Bonequinha de luxo”, Hubert sempre soube construir peças impecáveis no tom:

givenchy5

As costas memoráveis em vestido com apelo bem contemporâneo:

givenchy6

Aliás a parceria entre o couturier e Hepburn possivelmente é a mais famosa de todos os tempos. Alguns dos meus momentos favoritos de Audrey em Givenchy:

givenchyaudrey

givenchyaudrey

Aproveitando a deixa, mais alguns exemplos originais assinados por Hubert de Givenchy. Essa foto de 1954 é de Richard Avedon:

givenchyvedon

1952:

givenchy81955:

givenchy9

1959:

givenchy59

Para encher os olhos e inspirar a Sexta.

Fotos: System e reprodução.

Deixe um comentário

Arquivado em Inspirações, Perfil

Preferidos- Melanie Huynh.

mel4

Para a segunda parte do post das minhas musas sartoriais, a stylist Melanie Huynh. Se Centenera mergulha no minimalismo moderno com muito street e apelo mais fashionista, Melanie é a rainha de emprestar um olhar novo para os clássicos.

mel3

Franjas ficam modernas:

mel2

 

Utilitarismo é uma das suas modas favoritas, ela adora emprestar um ar boho ao estilo:

boho

 

A parka combinada com couro fica sofisticada:

mel6

As tendências surgem, mas sempre acompanhadas de peças atemporais, como as camisetas divertidas:

MEL

Para renovar o preto total, sapatos bem especiais:

mel5

 

Sabe que um dos melhores truques para usar uma composição toda preta é misturar texturas:

mel2

Ela é mestra em looks monocromáticos:

mel

Mel sabe que não precisa de muito para criar um look incrível: O poder de um belo casaco…

mel4

Balenciaga da época Ghesquiere complementando o combo skinny + scarpin:

mel5

Ela foi assistente por muitos anos da minha maior inspiração, Carine Roitfeld. Hoje é stylist e consultora de moda colaborando para revistas como CR Fashion Book e marcas como Altuzarra ( de quem é uma das musas), Lanvin e Zadig et Voltaire:

mel3

 

Ela define seu estilo como rock´n´roll, francês, muito preto, calça skinny em jeans ou couro e muito amor por sapatos:

melanie

Recentemente ela  assumiu o posto de editora de moda do site super inspirador “Signature international” com curadoria impecável, espécie de revista online com colaboradores especiais.

Fotos: Reprodução.

Deixe um comentário

Arquivado em Inspirações, Perfil

A nova cara das (velhas) marcas.

gucci3 Duas das principais e mais sexy marcas italianas estão passando por um momento de atualização. Sai a moda baseada em fendas e sex appeal, entra um estilo mais cool e intelectual. Na onda da Valentino, que antes era famosa pelas peças couture e seu vermelho e hoje em dia tem sua fama baseada nas narrativas lúdicas com detalhes folk e direção impecável de Maria Grazia Chiuri e Pier Paolo Piccioli. Confesso que minha primeira impressão da nova Gucci por Alessandro Michele não foi das melhores. Não amei o desfile de Inverno da marca, primeiro sob a tutela de Michele. Mas me apaixonei pelas novas campanhas, com mood perfeitamente traduzido na direção de arte e nas fotos de Glen Luchford. O styling da passarela, meio “Advanced style” e com muita informação, desvalorizou os looks. Já na campanha, o belo corte e a forte presença dos acessórios elevou as peças. A Gucci teve sucesso comercial absurdo na última coleção de Frida Gianini, resta ver o que acontecerá com Michele. Ecos de Louis Vuitton com a liderança de Ghesquiere: gucci6   Prada também surge como referência: gucci2 A campanha incrível foi fotografada por Glen Luchford e empresta à grife um novo ar, bem mais interessante: gucci Acessórios reornam ao foco: gucci5 Já a Pucci, ainda em processo embrionário, com a saída do Peter Dundas (amor eterno) para Cavalli, entra a visão de Massimo Giorgetti, oriundo da MSGM. Em sua marca, ele é conhecido pelas estampas e pelo estilo irreverente. Sai o sexy de Dundas e entra uma leitura mais normcore do passado colorido e estampado da Pucci. Giorgetti vai se dividir entre sua marca e a Pucci e promete emprestar um lado mais inusitado e ótimas produções para street style:pucci3 Estampas sim, mas com lembrança de Marni e muito pouco da sensualidade e influência rock´n´roll do legado de Dundas: pucci Franjas incríveis no casaco: pucci2 Cartela de cores fixada nos amarelos, laranjas, fuchsia e neutros. Comprimentos crescem e os saltos diminuem, uma influência masculina mais clássica também pode ser observada: pucci4 Preferem a versão antes ou depois? Fotos: Reprodução.

Deixe um comentário

Arquivado em Perfil, Update das tendências

Favoritas- Christine Centenera.

centenera9

Inaugurando a #tag “Favoritas”, a idéia é dividir aqui quem são as pessoas que inspiram meus looks diariamente. Nesse início, mostro as musas que unem o útil ao agradável, já que além de se vestirem de forma que eu admiro, são o tipo de stylist que eu gostaria de me tornar.

A primeira só poderia ser Christine Centenera. Carine Roitfeld foi tema da minha tese e é indiscutivelmente minha maior inspiração profissional, meu amor por Carine data do fim da década de 90 e sua colaboração com Tom Ford na Gucci e YSL.

Christine chega como inspiração para aqui e agora, além de ser uma stylist e tanto ( é editora da Vogue Austrália e atua como consultora para Kanye West) tem idade mais próxima da minha e looks incrivelmente lindos. Inclusive, considero suas escolhas sartoriais uma versão jovem e bem mais ousada de Carine. Ela nem sempre me agrada com seus looks, mas é sempre um prazer observar suas escolhas.

 

centenera8

Ombros marcados e jaquetas impecavelmente cortadas fazem parte das suas composições sempre. Ela entende o poder da alfaiataria bem feita:

centenera11

Looks monocromáticos são sofisticados e permitem botas de apelo bem sexy como esta de camurça e amarrações:

cent2

Os óculos Céline são favoritos:

centenera3

A botinha com recortes e peças com assimetria também sempre aparecem:

centenera7

Proporções difíceis fazem parte do guarda-roupa corriqueiro de Centenera:

centenera4

 

Uma capacidade de aderir às tendências, sem parecer montada demais:

centenera5

Austeridade e uma cartela de tons mais neutros:

centenera6

Seus casacos são um caso a parte:

centenera2

Casacos volumosos dão o tom cool:

cent

Estampas, quando usadas, são marcantes:

cent3

Peças statement garantem um resultado de personalidade:

cenetener12

Seus sapatos sempre fogem do lugar comum. As botas Givenchy:

centenera10

Os Zanotti desenvolvidos para a coleção do Kanye:

CENTENERA13

Detalhes luxuosos também encantam e surpreendem como a capa com aplicações:

centenera

 

A jaqueta Alaia de crocodilo:

alaia

Ela tem tantos looks maravilhosos que foi difícil escolher quais colocar aqui. Estes são os que mais tem a ver comigo no momento, mas vale muito pesquisar mais sobre ela e descobrir os seus.

Fotos: Reprodução.

Deixe um comentário

Arquivado em Inspirações, Perfil

Nome para guardar- Marco De Vincenzo.

MARCO1Marco de Vincenzo chamou minha atenção quando vi um dos seus vestidos no instagram da multimarcas Parisiense Montaigne Market. De couro, com recortes e mistura interessante de texturas, fui rapidamente pesquisar mais sobre ele.

Até lançar sua marca própria em 2009, De Vincenzo era head designer de acessórios da Fendi, graduado pelo IED. Só estas infos, já garantiram meu interesse. Para completar, no início do ano, a LVMH comprou 45% da marca com o objetivo de injetar capital e possibilitar seu desenvolvimento completo, agora ele faz companhia à J.W Anderson e Nicholas Kirkwood, outros criadores jovens que recebem o apoio do conglomerado.

Texturas e padronagens são verdadeiras obsessões de Marco, brilhos também figuram entre seus queridinhos. Todos temas lindamente explorados para o Inverno 2015. O quarto vestido da foto é o tal que me fez querer saber mais de suas roupas:

marco1

Formas geométricas e um apelo feminino intelectual foram fortes em sua coleção de Verão:

marco3

De perto, os detalhes impressionam:

marco7

Os sapatos são um caso à parte, este da coleção Verão 2014 é dos meus favoritos:

Shoes_MarcodeVincenzo_SS14

Um flagra de street style de um dos seus best-sellers:

marco2

O estilo lady-like ganha novos ares graças ao uso de materiais tecnológicos, o estilista sempre busca inovar nos tecidos e formas usadas, mas mantém shapes tradicionais sempre criando resultados originais:

marco4

Uma de suas maiores fãs é sua stylist e amiga, Giovanna Battaglia. Seguidamente ela desfila pelos sites de street style usando seus looks:

marco2

Fechando com foto de Marco na W, em matéria o apontando como um nome para guardar.

marco6

Promessa italiana para o futuro…

Fotos: Reprodução.

Deixe um comentário

Arquivado em name to watch, Perfil, Sem categoria